5
Mai/17

A maior parte da comida que está no prato do brasileiro é produzida em pequenas propriedades, quase sempre com mão-de-obra familiar. Os pequenos agricultores são responsáveis por 70% dos alimentos que são consumidos diariamente no País, segundo o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

No contexto mundial, o papel das famílias também é relevante: a estimativa da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) é de existirem 500 milhões de propriedades agrícolas familiares, com participação de 56% da produção global. A agricultura familiar promove o desenvolvimento socioeconômico e cultural das comunidades locais, além de garantir a segurança alimentar. Por isso, no Dia do Campo (8/5), o Instituto Akatu e o Edukatu convidam governos, empresas e consumidores a valorizarem esse tipo de produção.

Realizada por proprietários de pequenas áreas rurais, a agricultura familiar é diferente da agricultura patronal, que utiliza trabalhadores fixos ou temporários. Os estabelecimentos familiares são os principais geradores de postos de trabalho no meio rural por área produtiva: para gerar um posto de trabalho, precisam de oito hectares, enquanto estabelecimentos patronais precisam de 67 hectares, segundo estudo “O Novo Retrato da Agricultura Familiar – O Brasil Redescoberto”, da FAO e do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária).

Ao gerar renda local, a agricultura familiar fixa o homem no campo e diminui as pressões nas cidades. Segundo a FAO, também preserva os alimentos tradicionais, além de proteger a biodiversidade agrícola, já que esse modelo produtivo dificilmente é associado à monocultura.

Há vários alimentos populares que contam fortemente com a produção desses pequenos agricultores, no Brasil. A agricultura familiar é responsável por 87% da produção de mandioca, por 70% do feijão, por 59% de carne suína, por 58% do leite e por 46% do milho no País, por exemplo. A produção de orgânicos, que não usa pesticidas, tem uma forte participação da agricultura familiar: dos 12 mil produtores de orgânicos no Brasil, 70% são familiares, segundo o Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Governos podem apoiar a agricultura familiar ao implementar políticas públicas específicas relacionadas a crédito, assistência técnica, seguro, acesso a mercados – merece destaque o acesso dos produtos ao consumidor final - , compras públicas e tecnologias adequadas ao agricultor familiar. Empresas podem incluir esses agricultores na lista de fornecedores, com o cuidado de oferecer condições justas de competição no varejo e de deixar explícito ao consumidor a origem do produto, para que ele faça uma compra consciente. Essas medidas aumentam as chances de permanência dessas famílias no campo.

Nos mercados e feiras, não é fácil para o consumidor identificar quais produtos são provenientes da agricultura familiar. Uma das formas é procurar pelo Selo de Identificação da Participação da Agricultura Familiar (Sipaf), conferido pela Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, do MDA. Já receberam o Sipaf cerca de 22 mil produtos, feitos com mão de obra majoritariamente familiar como verduras, legumes, polpas de frutas, laticínios, artesanato, entre outros.

Entrega de cestas de alimentos

Outra forma de valorizar a agricultura familiar é fazer a assinatura de cestas de alimentos originária dos pequenos produtores. Esse serviço é oferecido, por exemplo, pelo Raizs, que tem um site de alimentos de pequenos agricultores para venda online e oferece assinatura de cestas de alimentos. Uma parte do resultado financeiro da Raízs alimentará o Fundo do Pequeno Produtor. Viabilizado por uma campanha de financiamento coletivo (crowdfunding), o Raizs se compromete a destinar parte dos recursos financeiros obtidos para as necessidades do pequeno produtor.

No site Orgânicos da Vila, é possível comprar diretamente de um produtor familiar de alimentos orgânicos sediado em Suzano (SP). O consumidor pode montar uma cesta de alimentos que será entregue em sua casa. Outro site, o Cesta Feira Orgânicos, também se propõe a entregar cestas de alimentos orgânicos, mas de pequenos produtores dos arredores de Porto Alegre (RS).

Em Curitiba (PR), a Boutique de Orgânicos faz entregas de cestas de alimentos produzidos sem químicos nas terras da família Koerich, em Contenda (PR). Outra opção de entrega de cestas de alimentos orgânicos na região é o Sítio Mais Saúde, criado em 2008 pela família Paccagnella em Balsa Nova (PR).

Esses são apenas alguns exemplos de serviços que aproximam diretamente os agricultores familiares do consumidor. Você conhece um canal de vendas de pequenos produtores agrícolas que não está listado aqui? Conte para nós!

Publicado por Moderador edukatu
das Equipes Conhecendo o Edukatu

1 Comentário

Thumb_sq_snapchat-1710736527

Vivian

muito bom

1
4
quase 4 anos

Filtre por Conteudo!

Post em destaque

O passo-a-passo do consumidor consciente

No Dia do Consumidor, comemorado em 15/03, o Akatu indica roteiro com 6 perguntas que orientam o consumo consciente no cotidiano

Arquivo

2012